quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Onde surge um AMOR.

Entre embaralhadas frases, lá estavamos nós: Vivendo em mundos distintos, intactos na frente de cérebros artificiais, na busca movida a "quase certeza" do insucesso, por algo, talvez, extinto. Indiretamente, lança-me uma frase que, em frações de segundos, quebra o silêncio e a timidez que estampa a minha face ilusória. Nitidamente, transformo-me em um poço de calmaria. Porém, em dias que se passam... Ao decorrer das horas... Você desaparece... Não tenho direito de ler, ao menos, a ultima palavra escrita por ti. Tenho apenas a capacidade de criar imagens umbráticas e aptidão para ouvir sons inexistentes das palavras que soam das suas cordas vocais e, velozmente , são ditas pelos delicados doces lábios criados pela imaginação criativa da meu exuberante intelecto. Diante da correria do tempo, inexperadamente, te reencontro em curtas respostas, onde, perante a intensidade da minha persistência, tornam-se, quase, infinitas. Em seguida, os mistérios guardados nas profundezas de nossas almas, são revelados na extremidade de fortes sensações. Nos entregamos a reações inexplicaveis: Mãos suadas, corpos ferventes como vulcões em processo erosivo. O olhar extremamente perdido, vivo e brilhante como um farol. Nossos corpos mergulham em longas gotas de dopamina, adrenalina, noradrenalina, feniletilamina, oxitocina... Depressa, nos misturamos como elementos em uma reação química. E entre embaralhadas frases, reaçoes e sensações, surge um gigantesco amor. (Maria de Fátima Gomes)

3 comentários:

  1. da para fazer uma musica hem? belas reflexões!!abç

    ResponderExcluir
  2. nossa parabens Mary.
    Blog muito legal.
    beijos

    http://sonhodeoutubro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir